Orientação médica pode indicar melhor tratamento e evitar complicações emocionais para a criança

A criança acorda e chama os pais. O cenário? Lençóis, colchão e pijamas molhados de xixi. Uma cena comum para quem vivencia a fase de desfralde. Mas, e se os episódios continuarem acontecendo mesmo muito tempo depois desse período? Quando a criança completa os cinco anos de idade, é comum associar o xixi na cama a uma forma de chamar atenção, mas o sintoma pode estar relacionado a uma disfunção que atinge cerca de 15% de meninos e meninas: a enurese noturna.

Como saber se o xixi na cama é uma fase ou enurese?

Identificar a enurese noturna é tarefa do pediatra, o especialista que acompanha o desenvolvimento da criança desde seu primeiro mês de vida. A função dos pais, no entanto, é observar os hábitos miccionais da criança e manter uma frequência regular de consultas médicas, relatando qualquer alteração e expondo antecedentes familiares; isso porque se um dos pais teve o problema quando criança, as chances de o(a) filho(a) apresentar enurese aumentam em 75%.

O mais importante é tentar descobrir as causas da disfunção, que pode ser motivada por fatores psicológicos, falta de amadurecimento do trato urinário e hereditariedade. Em casos específicos, o pediatra pode recomendar também consulta com outros especialistas, como o urologista, nefrologista ou cirurgião pediátrico.

O pediatra do meu filho nunca falou sobre enurese. O que fazer?

Nem todos os pediatras abordam o tema durante as consultas, mas isso não significa que você, mãe ou pai, não possa. Procure se informar sobre o assunto em fontes confiáveis e observar com atenção os comportamentos do seu filho. Se desconfiar de algum sintoma ou quiser apenas tirar a dúvida da sua cabeça, não tenha receio: pergunte ao médico! Ninguém melhor do que um especialista em saúde infantil para te ajudar. Caso não fique seguro com as informações transmitidas por ele, procure uma segunda opinião.

Encontrei relatos de outras mães na internet. Posso seguir as dicas?

Na ânsia de ajudar e resolver logo o problema, muitos pais buscam informações e a experiência de outras famílias na internet, o que pode muito proveitoso do ponto de vista do conhecimento. Entretanto, enfrentar a enurese noturna sem o suporte de um especialista pode prolongar o sofrimento e abalar a saúde emocional da criança. Entenda: ela não faz isso de propósito.

Em alguns casos, o problema se dissipa espontaneamente conforme a criança cresce, mas se isso não acontece até a idade escolar, a autoestima e o relacionamento social podem ser verdadeiramente afetados. Há inclusive, casos de enurese que perduram mesmo em idade adulta. Lembre-se: não substitua a orientação médica por informações genéricas e evite comparações. Seu filho é único e precisa de um tratamento que leve isso em conta.

Desconfio que seja enurese. Como funciona o tratamento?

A enurese pode ser tratada com orientações comportamentais, medicamentos, fisioterapia específica ou até mesmo, psicoterapia. Entretanto, a parte mais importante do tratamento é a família compreender os motivos e a evolução clínica da enurese, evitando castigos, repreensões ou até mesmo sentimentos de culpa e frustração, já que os episódios podem oscilar mesmo a partir dos métodos sugeridos pelo especialista. É preciso paciência, carinho e constante acompanhamento médico. A boa notícia é que a disfunção tem cura, e quanto maior o suporte técnico, mais seguro seu filho estará.