Entenda a relação entre enurese noturna e problemas psicológicos e saiba como romper este ciclo

Esta poderia ser mais uma daquelas perguntas no estilo “quem veio primeiro?”. Afinal, problemas psicológicos associados ao xixi na cama são uma causa ou consequência da enurese noturna?

Comum na infância, as perdas de xixi durante o sono são um ato involuntário da criança e causas psicológicas podem sim estar relacionadas ao quadro. Nestes casos, chamamos de enurese noturna secundária. No entanto, pesquisas recentes reforçam a importância da atenção da família e dos especialistas também para os impactos psicológicos decorrentes do problema. Entenda por que.

Vergonha: início de tudo

Fazer xixi na cama costuma ser bastante constrangedor para a criança. Além da vergonha, sentimentos como frustração e culpa levam o paciente a evitar certas atividades, como viagens da escola, acampamentos ou dormir na casa de um amiguinho. O isolamento social e a baixa autoestima, por sua vez, impactam no comportamento e também podem gerar dificuldades de aprendizado.  Sabe-se, por exemplo, que de 20 a 30% das crianças com enurese têm problemas comportamentais e 50% apresenta baixo rendimento escolar.

“É nítido que existe impacto sob a criança, e isso tem uma importância grande não só para o paciente, mas também para as famílias”, Dr. Atila Rondon

Quando exposta ou repreendida de forma inadequada, a criança também tende a desenvolver problemas relacionados à ansiedade ou até mesmo depressão, com quadros ainda mais graves considerando os adolescentes, por terem mais discernimento da situação. “A perda de confiança e vergonha é muitas vezes reforçada pelos pais por meio de atitudes como estender o lençol molhado para mostrar aos vizinhos que houve a perda. Todos os fatores, em conjunto, levam a uma queda de qualidade de vida e tem uma importância tão grande na vida da criança que precisa que alguma forma ser resolvido”, alerta o urologista pediátrico Dr. Atila Rondon.

Punição reforça falta de informação sobre enurese noturna

Cerca de 27% das famílias utiliza a punição, por meio de humilhações, castigos e até agressão física como resposta aos escapes de xixi à noite. Pais que não entendem o que é enurese e que não compreendem porque ela acontece, tendem a considerar os filhos culpados e serem intolerantes em relação ao distúrbio.

“Cabe a nós médicos ampliar o conhecimento acerca da enurese enquanto algo que independe da vontade da criança, melhorando a orientação desses pais, de modo que o estresse da criança não seja maior do que a própria enurese já gera”, considera o especialista.

Portanto, a punição nunca será a solução para o xixi na cama, pelo contrário: ela pode agravar a enurese noturna, acentuando as consequências psicológicas.

Xixi voltou? Preste atenção!

Como mencionamos no início deste texto, em alguns casos, os problemas psicológicos podem anteceder e induzir o xixi na cama, sendo diagnosticada a enurese noturna secundária. Acontece quando a criança já passou mais de 6 meses sem molhar o colchão, mas volta a enfrentar os episódios de xixi devido a algum evento traumático ou mudança de rotina.

Somente a avaliação de um especialista poderá identificar o quadro da criança e avaliar a conduta mais adequada. O fato é que, independente do caso, há associação de problemas psicológicos com a presença da enurese e os pais que tendem a punir a criança só contribuem com o aumento do estresse. Por isso, a compreensão da família é fundamental para romper esse ciclo. Encontre ajuda nos Centros de Apoio listados no site.