Entenda como a pandemia impacta a saúde emocional dos filhos e confira cuidados importantes com as crianças na quarentena

Embora quadros graves de Covid-19 na infância sejam raros, a pandemia do novo coronavírus causou sérios impactos no comportamento e desenvolvimento das crianças. Sono alterado, comportamentos regressivos como voltar a pedir chupeta ou a fazer xixi na cama, e aulas virtuais são apenas alguns dos desafios que vem sendo enfrentado pelas famílias e comprometido a saúde emocional dos pequenos. Por isso, listamos cinco problemas bastante comuns entre as crianças na quarentena, e as principais orientações em cada caso. Confira!

1.Sono

A ansiedade e a procura por estabilidade e segurança fez com que muitas crianças na quarentena registrassem comportamentos regressivos como correr para a cama dos pais à noite, ter dificuldades para adormecer ou pesadelos mais frequentes, assim como retroceder no processo de desfralde. Uma dica é estabelecer uma rotina com horários para deitar e acordar, além de propiciar um ambiente tranquilo para o sono. No caso do xixi na cama, uma orientação frequente de pediatras e urologistas é fazer com que a criança urine antes de ir para cama e evitar líquidos à noite. Já acordar a criança durante o sono não é recomendado.

2. Atividades físicas

Criança precisa correr, brincar, se exercitar. Mas o isolamento social imposto pelo novo coronavírus dificultou a prática de exercícios pelas crianças na quarentena. De acordo com as recomendações da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), o ideal é que crianças e adolescentes acumulem 60 minutos de atividade física por dia, de moderada a vigorosa. Lembre-se que é possível improvisar e se exercitar com as crianças em casa e, ao praticar atividades em locais externos, siga as medidas de prevenção como manter o distanciamento mínimo e higienizar as mãos com frequência. Neste momento, ainda não é recomendada a retomada de esportes coletivos de contato.

3. Emoções

A forma como os pequenos lidam com a pandemia está diretamente ligada ao comportamento dos adultos em casa. Já falamos por aqui sobre a importância dos pais darem o exemplo no controle do estresse e fazer da casa um ambiente seguro e acolhedor para os filhos. Ao conversar com as crianças sobre o coronavírus, explique a situação com honestidade e clareza e procure tranquilizá-las. Na hora de lidar com o xixi na cama, lembre-se que o tratamento da enurese noturna exige paciência, tolerância e amor. O apoio emocional e o reforço positivo dos pais, incluindo elogios associados ao número de noites secas, deve ser estimulado sempre.

4. Educação

A Organização das Nações Unidas (ONU) estima que 1,6 bilhão de crianças tenham sido afetadas pelo fechamento das escolas em 145 países. Enquanto as medidas para que as aulas presenciais sejam retomadas com segurança estão sendo discutidas, é importante conservar a rotina de atividades didáticas e a conexão com a escola e os coleguinhas virtualmente.

5. Excesso de telas

Com as crianças mais tempo em casa, também é essencial ficar atento ao uso excessivo das telas. Recomendações da SBP acerca da saúde mental de crianças e adolescentes na era digital reforçam que a exposição a celular, tablet e afins seja limitada a uma hora por dia entre 2 e 5 anos de idade e, no máximo, duas horas por dia entre 6 e 10 anos, sempre sob supervisão de adultos.